Sou um empresário. Abri minha empresa e agora?

Sou um empresário. Abri minha empresa e agora?

Parabéns, você abriu uma empresa, e agora você é um empresário!

Sou um empresário!

Com essa afirmação, queremos chamar a atenção para todas as responsabilidades que este título de empresário traz consigo. Ser um empresário é além de gerir bem o seu negócio de modo que ele possa prosperar, é estar atento ao mercado, finanças, legislação tributária, dentre outras responsabilidades.

Não quer dizer que tenha que ser um expert em todas as áreas, mas precisa estar atento e manter uma equipe capaz de ajudá-lo com todas as necessidades como por exemplo uma contabilidade.

Pensando em dar a nossa contribuição, destacamos abaixo alguns assuntos importantes

Capital Social

É o valor, a integralizar ou integralizado, correspondente à contra-partida do titular, sócios ou acionistas de uma empresa, para o início ou a manutenção dos negócios. O valor inicial constante no contrato de constituição da empresa.

Princípio da Entidade

Na sua tradução mais simples, é separação da pessoa física dos sócios com a empresa. Não é porque sou dono da empresa que sou dono do patrimônio dela.

Então como faço para retirar o dinheiro da empresa de forma a respeitar a legislação brasileira?

As duas principais formas para retirar dinheiro da empresa atualmente são:

Distribuição de Lucros

A distribuição dos lucros é a remuneração paga aos sócios pelo capital investido na empresa e pelos riscos assumidos no negócio. Porém a Receita Federal determina um limite para a distribuição de lucros, que é chamado, distribuição presumida de lucros. Tal limite só poderá ser superado caso a empresa apresente as demonstrações contábeis comprovando um lucro superior ao calculado, com base nas alíquotas pré-determinadas pela Receita Federal.

Pró-Labore

É o salário dos sócios ou titular de empresa, que participe da atividade ou administração da mesma. O pró labore deverá ser previamente cadastrado para que seja informado a previdência social através do E-SOCIAL e seja devidamente tributado antes do repasse ao sócio.

Devo emitir notas fiscais sobre todas as vendas de serviços ou produtos que fizer na minha empresa?

Sim, todas as operações devem ser acompanhadas da respectivas notas, mas em alguns casos você pode economizar se observar particularidades da lei, este também é outro ponto muito importante em buscar um bom parceiro contábil que possa ajudar a pagar correto.

De maneira geral, a contabilidade é um dos principais parceiros de seu negócio, e o fator principal para seu sucesso.

  • Verifique quanto tempo ela está no mercado e se é inscrita no Conselho Regional de Contabilidade;

 

  • A estrutura de um escritório hoje, não precisa ser gigante, mas ter equipamentos e sistemas de ponta, integrar as informações contábeis com os sistemas de sua empresa.

 

  • Equipe de profissionais qualificados e treinados, que possam esclarecer sobre a legislação e gerenciamento de sua empresa.

 

  • Lembre-se de visitar o escritório para constatar se realmente é aquilo que promete.
Índice de satisfação de micro e pequena indústrias melhora em novembro

Índice de satisfação de micro e pequena indústrias melhora em novembro

O índice de satisfação das micro e pequenas indústrias (MPIs) do estado de São Paulo atingiu 118 pontos em novembro, de acordo com o Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, encomendado pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria (Simpi) ao Instituto Datafolha. O índice é baseado na avaliação da empresa, faturamento e margem de lucro e varia de 0 a 200.

 

A pesquisa mostrou que o faturamento está em 111 pontos (no mês anterior eram 101) e a margem de lucro está em 108 (contra 98 pontos no mês anterior).

 

A avaliação da empresa chegou a 134 pontos em novembro. No sentido contrário, o índice de investimento das micro e pequenas indústrias paulistas registrou queda de 14 pontos em novembro, ao passar de 38 para 24.

 

“Tivemos uma melhora no índice de satisfação, mas este bom resultado não se refletiu nos demais indicadores, como o índice de investimentos, que teve uma queda, e o de capital de giro, que se manteve e repetiu o resultado do mês anterior, com 48% dos empresários afirmando ter exatamente o que precisavam de capital para o mês. Precisamos de um crescimento econômico para que as micro e pequenas indústrias possam melhorar em todos os indicadores”, disse o presidente do Simpi, Joseph Couri.

 

No capital de giro, a porcentagem de empresas que têm exatamente o que precisa se manteve em 48%, mesmo número do mês anterior. Os que têm capital insuficiente ou muito pouco somam 42% das MPIs. O cheque especial continua sendo a modalidade mais utilizada para financiar o capital de giro, sendo usada por 16% das MPIs que precisam ter acesso ao capital.

 

De acordo com a pesquisa, 54% das MPIs considera que a crise econômica está mais fraca e afeta um pouco os negócios, mas acreditam que a economia deve voltar a crescer nos próximos meses.

 

Em outubro esse percentual era de 50%. Já os que acreditam que a crise ainda é forte, afeta muito os negócios e não dá para prever quando a economia voltará a crescer, totalizam 42%, no mês anterior eram 46%.

Ligue Agora!

Comunicado Importante

A CSM comunica a todos os clientes, amigos e parceiros que não haverá expediente nos dias 24 e 25 de fevereiro, em decorrência do carnaval.

 

Retomaremos todas as nossas atividades normalmente no dia 26/02 as 13:00hs.

www.csm.com.br